sábado, 6 de fevereiro de 2016

Antes do "Até que a morte os separe"

Tenho uma amiga que já mudou de Estado e de cidades em um tempo tão curto que as mudanças só podem ser descritas como drásticas, nem tanto pela velocidade mas pela distância entre elas. E como muda de cidade ela também muda de namorado - e em algumas vezes os ex e o atua têm nomes bem parecidos. Nunca achei estranho a mudança de namorado que ela promove. Para ela e para todos a regra de que "namoro pode acabar a qualquer momento" pode ser empregada sem medo e sem constrangimento.
Namoro não é casamento!
Tenho outra amiga que é o oposto da descrita no parágrafo acima. Essa outra não muda de namorado até que o dito cujo morra, declare-se assumidamente gay ou travesti ou ele mesmo termine o "romance". Para mim, um mero observador das duas e de tantos outros casais, a pessoa que muda de amante sempre que o "romance" não deu certo tem mais chances de ser feliz e escolher um bom marido (ou uma boa esposa) que o indivíduo preso ao medo de mudar.
Há pequenos sofrimentos que nos acostumamos e achamos normais. E em nosso ledo engano tentamos mudar a pessoa "amada" para que ela se torne uma pessoa melhor.
Tenho que lhe dizer duras verdades:

  • A traição é só a ponta do iceberg.
  • Você é incapaz de mudar quem quer que seja.
  • Você cria suas próprias ilusões e só você é responsável por suas lágrimas.
  • Sexo não segura homem (se segurasse não existiria puta solteira e pobre).
  • Se você não tem objetivos na vida não será um relacionamento que a(o) deixará feliz.
  • Felicidade mesmo resume-se ao passado, quando o futuro chegar e você tiver aproveitado a vida.
  • Se você quiser um casamento eterno e feliz precisará tomar a atitude, hoje, de ser fiel a si mesmo(a) e a princípios retos.
  • Você, talvez, não seja responsável pela traição alheia, mas é potencialmente responsável pela maneira como deixa ser tratada(o).
  • Se não conseguir viver só, em sua companhia, ninguém te aguentará.


Para mim, a  amiga que muda de namorado como muda de roupas está melhor preparada para um casamento futuro que aquela que sofre calada a amargura da solidão a dois. Devemos gostar de nós mesmos, aprender a conviver conosco e ser felizes só antes de querer que alguém assuma o lugar de "até que a morte nos separe.
O namoro é o tempo que acolhe o arrependimento. O casamento, não.


sexta-feira, 13 de março de 2015

Qual Meu Proposito????


Por muitos anos (e ainda hoje) eu estava paralisada com o medo de fazer a escolha errada sobre o que fazer com a minha vida. Devo ir para a faculdade de Engenharia ou fazer Administração Pública mesmo, seguir carreira técnica, que pós-graduação fazer, que eu deveria me casar, deve me mudar para lá, deve dizer sim ou não ... Como você descobrir a resposta certa?
Eu não tenho certeza que existem muitas "respostas certas", exceto a confiança, a amar, ter fé e esperança. Mas...Uma coisa sei. Não deixe o medo paralisar você, afinal de contas, "Nós podemos ter toda certeza de que cada detalhe em nossa vida de amor a Deus é trabalhado em algo bom." Romanos 8:28.
E esse é o seu plano. Para restaurar, resgatar, superar, curar, trazer esperança, amor, colocar de volta juntos, construir, abrir os olhos, abrir os ouvidos, despertar os corações e os espíritos ao Seu amor e extensão de energia. Para trazer o bem do caos.
AME quem você é, amar a Deus e amar os outros com a sua vida ... Ele vai trabalhar os detalhes com você, como você vai. Passo a passo, dia a dia, momento a momento.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Não é Romance



Romance é o substantivo errado para denominar essas relações juvenis entre pessoas que estão em formação. Do mesmo modo que é errado acreditar nas infinitudes de uma vida a dois quando a vida sozinho já é pesada demais para ser dita.

E aí temos essa história de amor, a descoberta dos limites do próprio corpo, revelações do sexo, depravações sociais agradáveis, transgressões morais que ocorrem entre dois pares de mãos.

Nessa época nada pode ser levado a sério; quase todas as palavras, sempre poderosas, independente da idade, são princípios de uma personalidade que se forma ao longo de lágrimas, repreensões, queixas.

Então não venham dizer, a mim, a Deus ou ao Diabo, que não interessa a ninguém como o relacionamento dos dois jovens transeuntes não interessa; ou que o drama de uma sobrancelha mal feita de uma jovem não é importante. Se isso não for, o que mais será?
Que romance é a palavra errada, não tenho dúvidas.

Porém, quem há de quebrar os paradigmas estabelecidos desde Romeo e Julieta e dirá, aos amantes da era virtual, que a morte agora é muito mais sentida e vivenciada a cada clique ou descurtida, em guerras virtuais intermináveis?

Hoje as fotos não desaparecem – existe sempre um backup. Da mesma forma que as lembranças.



sábado, 20 de dezembro de 2014

Sr. Fracasso!!


"Eu aprendi a beijar a onda que me joga
 contra a Rock of Ages." CH Spurgeon

Nunca falhou em alguma coisa?

 Em um exame ou projeto? Falha ao chegar em casa na hora certa? Falhou um amigo?
O fracasso é familiar a todos nós, simplesmente alguns  o experimenta mais do que outros. 
Eu possuía meus fracassos. Eu usava-os em torno na minha manga, meu coração pingava com eles. Eu vivia em uma montanha-grosseira de desempenho impulsionado auto-aprovação. Quando eu fiz algo grande, eu pensei que era ótimo.Quando eu falhei, eu afundei em um profundo e escuro.

Depois de anos de vida desta forma, eu percebi que a falha não precisa ser um peso em tudo! Não é algo que define o nosso caráter ou valor. Nem um pouco. É fácil acreditar que o fracasso é ruim e que é algo para nos envergonhar. Há uma suposição de que ele significa fraqueza. 
Por que isso? Por que é tão vergonhoso? Eu entendo, eu faço o mesmo. Se o "fracasso" fosse uma profissão, eu seria um bilionário. =D